Síndrome dos ovários policísticos, o que é importante saber

Tempo de leitura: 21 minutos

SOP 300x158 - Síndrome dos ovários policísticos, o que é importante saber

SOP – Tudo que você precisa saber.

 

A síndrome dos ovários policísticos, também conhecida como síndrome do ovário policístico, é um problema de saúde comum causado por um desequilíbrio dos hormônios reprodutivos das mulheres.

O desequilíbrio hormonal cria problemas nos ovários. Os ovários geram o óvulo que é lançado a cada mês como parte de um ciclo menstrual saudável.

Quando a síndrome dos ovários policísticos ocorre, entretanto, o óvulo poderá, então, não se desenvolver como deveria ou não pode ser liberado durante a ovulação como em um ciclo normal.

As mulheres que portam a síndrome podem obter períodos menstruais irregulares ou não ter uma menstruação de forma alguma. Períodos menstruais irregulares podem levar a:

  •   Infertilidade (incapacidade de engravidar). A síndrome dos ovários policísticos é uma das principais causas de infertilidade.
  •   Desenvolvimento de cistos (pequenos sacos cheios de líquido) nos ovários.

Quem está mais propenso a desenvolver a síndrome?

Uma porcentagem de cinco a dez por cento das mulheres em idade fértil, que se encontra entre os quinze e quarenta e quatro anos, pode desenvolver a síndrome.

É também importante lembrar que a maioria das mulheres descobre que possui SOP entre os vinte e trinta anos, quando elas tem problemas para engravidar quando geralmente estão tentando com seu parceiro e, então, descobrem por meio de uma consulta com os médicos.

A maioria das vezes onde as mulheres desenvolvem a SOP pode acontecer em qualquer idade depois da puberdade, quando o ciclo menstrual já está ativo.

Dessa maneira, também é preciso enfatizar que todas as mulheres de todas as etnias tem riscos de desenvolver a síndrome dos ovários policísticos – as condições que aumentam os riscos incluem:

  •   A obesidade
  •   A ocorrência da doença com alguma mulher da família como a mãe, a tia ou a irmã.

Quais são os sintomas da síndrome dos ovários policísticos?

A maioria das pessoas que lidam com os sintomas da SOP pode confundi-los com sinais comuns de outras doenças como o stress e a ansiedade, por isso, é absolutamente crucial fazer com que as mulheres possam obter um cuidado médico especializado.

Alguns dos sintomas que geralmente afetam mulheres que passam pela síndrome dos ovários policísticos incluem:

  •   Ciclo menstrual irregular: mulheres que portam a SOP podem ter suas menstruações atrasadas, não tê-las, bem como ter uma frequência extremamente baixa de ciclos menstruais ao longo do ano (menos do que oito ciclos ao longo dos doze meses. É possível também que a menstruação aconteça irregularmente por mais vezes, com ciclos de 21 dias ou menos. Algumas mulheres com SOP param de menstruar completamente.
  •   Produção excessiva de pelos na face, no queixo, ou em partes no corpo onde os homens geralmente tem mais pelos – esse sintoma em particular afeta cerca de 70% das mulheres que possuem a síndrome dos ovários policísticos.
  • Síndrome dos Ovários Policísticos 00002 300x200 - Síndrome dos ovários policísticos, o que é importante saber
  •   As mulheres que sofrem de SOP também podem vivenciar sintomas como a acne na região facial, no peito e na parte superior das costas.
  •   Os cabelos também experimentam um processo de queda, e pode-se notar que os padrões para essa diminuição dos cabelos e o afinamento dos fios dos mesmos tem padrões como os que se apresentam em homens.
  •   É possível também notar uma dificuldade de perda de peso significativa, bem como o aumento do peso corporal repentino.
  •   Muitas vezes, é possível notar um sintoma que precisa de atenção pois pode ser um indicativo importante, que se encontra no escurecimento da pele – particularmente nas áreas onde há dobras, como no pescoço, na virilha e embaixo dos seios.
  •   Alguns pequenos excessos de pele nas axilas ou na área ao redor do pescoço.

Se você notar o aparecimento de um ou mais sintomas citados acima é importante que consulte um médico especialista ginecologista para que uma análise seja conduzida da maneira específica para proporcionar a melhor opção de tratamento para a sua condição.

O diagnóstico correto é a principal parte de um tratamento que pode oferecer benefícios para as mulheres que são portadoras de SOP.

Quais são as causas da síndrome dos ovários policísticos?

O fator determinante que causa a SOP não é exatamente conhecido pelos profissionais da saúde. A maioria dos pesquisadores e médicos tem em mente que há uma série de fatores, incluindo as condições genéticas, que podem ter um papel importante na possibilidade de desenvolvimento da doença.

Alguns fatores que podem aumentar as chances do desenvolvimento de uma síndrome dos ovários policísticos são os seguintes:

  •   Altos níveis de andrógenos no organismo: os andrógenos são os chamados hormônios masculinos, e embora todas as mulheres produzam quantidades pequenas desses hormônios em seus organismos, é possível que ocorra o desequilíbrio dessa produção.

Os hormônios masculinos controlam certos aspectos do desenvolvimento de características masculinas, bem como os padrões da queda de cabelo que pode ser observado nas mulheres que possuem SOP.

A quantidade de hormônios masculinos no organismo de uma mulher com SOP é exacerbada, fazendo com que haja a necessidade de controle dos mesmos. Os estrogênios são os chamados hormônios femininos.

Os níveis de andrógenos elevados podem impedir que as mulheres consigam realizar a liberação dos óvulos pelos ovários, o processo chamado de ovulação, ao longo do ciclo menstrual.

Um dos efeitos dos altos níveis de andrógenos se encontra na produção excessiva de pelos e na acne, que pode sinalizar a síndrome dos ovários policísticos.

  •   Altos níveis de insulina: A insulina é um hormônio que controla o processo de como a comida que você consome é transformada em energia para o seu organismo. A resistência à insulina faz com que as células do organismo não mais respondam normalmente à insulina.

Como resultado disso, seus níveis de insulina no sangue são elevados à níveis acima dos normais.

Muitas mulheres com SOP tem resistência à insulina, especialmente aquelas que estão com sobrepeso ou são obesas, aquelas que tem hábitos alimentares prejudiciais, não fazem atividade física suficiente, ou tem um histórico de diabetes tipo 2 na família.

É importante notar que, ao longo do tempo, a resistência à insulina pode ocasionar a diabetes tipo 2.

Mulheres que são portadoras de síndrome dos ovários policísticos ainda podem engravidar?

Sim, as mulheres portadoras de SOP ainda podem passar pelo processo da gravidez. A síndrome dos ovários policísticos é uma das mais comuns, porém tratáveis síndromes que causam a infertilidade nas mulheres.

Como mencionado anteriormente, nas mulheres que possuem a síndrome dos ovários policísticos, o desequilíbrio hormonal pode causar interferências no crescimento e na produção dos óvulos pelos ovários, a ovulação.

Se você não ovula, portanto, não pode conseguir ficar grávida.

É importante que as mulheres passem por procedimentos de consultas médicas com um ginecologista para que possam encontrar tratamentos e métodos que podem aumentar as chances de conseguir ovular.

Desse modo, será possível conseguir aumentar as chances de gravidez para que o óvulo seja desenvolvido e fecundado.

A síndrome dos ovários policísticos aumenta o risco para a obtenção de outras doenças?

Sim, muitos estudos foram conduzidos e chegaram à conclusão de que a síndrome dos ovários policísticos está diretamente ligada à uma série de outros problemas de saúde.

Alguns desses problemas de saúde encontrados nas mulheres que possuem SOP podem ser:

– Diabetes

Mais de metade das mulheres que são portadoras de síndrome dos ovários policísticos terão diabetes ou sintomas de pré-diabetes ao longo da vida, geralmente antes da idade de quarenta anos.

– Pressão alta

Mulheres que são portadoras de SOP tem muito mais riscos de ter pressão sanguínea alta quando comparadas às mulheres da mesma idade que não possuem a doença.

A pressão alta é uma das maiores causas de doenças do coração como o infarto do miocárdio. É preciso estar sempre em contato com um médico especializado para que ele possa monitorar a doença e o aparecimento de sintomas que possam indicar a presença de algumas outras.

– Níveis prejudiciais de colesterol

Mulheres com síndrome dos ovários policísticos geralmente tem níveis muitos maiores de colesterol ruim no organismo, bem como níveis muito menores de colesterol bom.

O colesterol alto pode aumentar as chances de que as mulheres desenvolvam doenças do coração, bem como os infartos.

– Apneia do sono

A apneia do sono ocorre quando há paradas momentâneas e repetidas com frequência ao longo da noite e que interrompem o sono. Muitas mulheres que são portadoras de SOP são, geralmente, obesas ou estão com sobrepeso, fatores que podem ocasionar a apneia do sono.

A apneia do sono aumenta os riscos de que as mulheres desenvolvam doenças do coração além de terem mais chances também de desenvolverem a diabetes.

– Depressão e ansiedade

A depressão e a ansiedade são doenças extremamente comuns em mulheres que possuem a síndrome dos ovários policísticos.

– Câncer do endométrio

Problemas com a ovulação quando somados à resistência à insulina, bem como a diabetes (todos fatores extremamente comuns em mulheres que são portadoras da síndrome dos ovários policísticos) aumentam significativamente o risco de desenvolvimento de câncer do endométrio – a parede do útero.

Os sintomas da síndrome dos ovários policísticos desaparecem quando as mulheres entram na menopausa?

É possível que sim e também é possível que não. A síndrome dos ovários policísticos pode afetar muitos sistemas do organismo.

Síndrome dos Ovários Policísticos 00000 300x200 - Síndrome dos ovários policísticos, o que é importante saber

Muitas mulheres que são portadoras de SOP descobrem que os seus ciclos menstruais podem se tornar mais regulares ao longo da vida de modo que elas se aproximam ao período da menopausa.

Entretanto, o desequilíbrio hormonal que é causado pela síndrome não muda conforme a idade das mulheres portadoras avança, fazendo com que elas ainda possam continuar a vivenciar sintomas da SOP.

Além disso, os riscos de problemas de saúde que são associados à ocorrência da síndrome dos ovários policísticos como as diabetes, os infartos são elevados conforme a idade avança nas mulheres.

Os riscos podem ser muito maiores nas mulheres portadoras de SOP do que nas que não carregam a doença.

Como é realizado o diagnóstico da doença?

Não há um teste único que possa servir para conseguir diagnosticas a doença nas mulheres. Para ajudar o processo de diagnóstico de síndrome dos ovários policísticos e ajudar também a eliminar a possibilidade da presença de outras doenças, é possível que seu médico converse com você sobre seu histórico médico e faça um exame físico, em conjunto com uma série de outros:

  •   Exame físico: O médico irá realizar a medição da pressão sanguínea, calcular o seu nível de IMC, e também fazer a medição de suas medidas da cintura.

Ele também irá analisar ao longo do exame físico a sua pele e procurar por pelos excessivos na região do rosto, do peito ou das costas, bem como a presença de acne ou descoloração da pele.

Durante o exame físico seu médico também irá procurar por sintomas de queda de cabelo, ou por algumas outras condições físicas como o aumento da glândula da tireoide que podem indicar a presença de SOP.

  •   Exame pélvico: Esse exame é requerido pelos médicos no processo de diagnóstico da síndrome dos ovários policísticos para que o mesmo possa identificar se há sinais de excesso de hormônios masculinos no organismo, que podem incluir, por exemplo, um clitóris aumentado.

Ele também servirá para que o seu médico possa examinar se seus ovários estão aumentados ou inchados.

  •   Ultrassom pélvico: o ultrassom pélvico irá ser extremamente útil para que os médicos consigam examinar as condições dos ovários para identificar se há a presença de cistos, bem como para analisar as condições do endométrio.
  •   Exames de sangue: Os exames de sangue irão ser cruciais para que o médico consiga examinar os seus níveis de hormônios masculinos no organismo, os chamados andrógenos.

Durante esses exames de sangue, também serão analisadas as presenças de hormônios que possam estar relacionados a outros problemas de saúde que possam ser confundidos com a presença da síndrome dos ovários policísticos, como as doenças da tireoide.

Seu médico também conseguirá analisar seus níveis de colesterol no organismo e analisar se há ou não a presença de diabetes.

Uma vez que a presença de outras doenças for descartada por meio dos exames acima descritos, é possível que a mulher seja diagnosticada com síndrome dos ovários policísticos se tem dois dos sintomas descritos a seguir:

  •   Ciclos menstruais irregulares: Incluindo também ciclos menstruais que tem a duração e presença mais frequente, bem como aqueles que são raros e espaçados, ou aquelas mulheres que não possuem a presença de menstruação.
  •   Sinais de que você possui excesso de hormônios masculinos no organismo:

Excesso de crescimento de pelos na face, queixo, região do peito e das costas

Acne

Afinamento dos cabelos da cabeça

  •   Níveis anormais de andrógenos presentes na corrente sanguínea
  •   A presença de cistos múltiplos na região de um ou de ambos os ovários.

Como é realizado o tratamento para a síndrome dos ovários policísticos?

Não há uma cura para a síndrome dos ovários policísticos, entretanto, é possível que as mulheres que são portadoras da síndrome possam utilizar medidas recomendadas que poderão aliviar e diminuir a presença dos sintomas.

É importante que o médico possa trabalhar em conjunto com a paciente para que possam encontrar um plano de tratamento que seja baseado especificamente nos sintomas que a mesma apresenta.

O tratamento também pode ser baseado em planos que as mulheres podem ter de engravidar, bem como levar em conta os riscos para doenças que possam acometer a saúde da mulher portadora da síndrome dos ovários policísticos como as diabetes e as doenças do coração.

Muitas mulheres precisarão de uma combinação de fatores em seus tratamentos, que irão incluir:

  •   Medidas que se pode tomar no ambiente do lar para ajudar a conseguir amenizar os efeitos dos sintomas no organismo.
  •   Medicamentos específicos que podem ajudar a diminuir os desequilíbrios causados pela doença, consequentemente aliviando os sintomas.

De qualquer forma, é absolutamente crucial que as portadoras de SOP possam obter um atendimento médico especializado para que possam conseguir uma linha de tratamento baseada em seus sintomas, suas necessidades, seus planos e riscos para o futuro.

Quais medidas as portadoras de SOP podem tomar em casa para amenizar os sintomas da síndrome?

Você pode fazer uma série de procedimentos em casa que podem amenizar os sintomas e fazer com que a convivência com a doença seja otimizada para o seu bem-estar. Alguns deles são:

– Perda de peso: Hábitos alimentares saudáveis e atividades físicas realizadas com regularidade podem ajudar a aliviar os sintomas que são relacionados à síndrome dos ovários policísticos.

Perder peso pode ajudar a diminuir os níveis de glicose presentes no sangue, otimizar a maneira como o seu organismo lida com a insulina, bem como ajudar a regularizar os níveis de hormônios no sangue.

Até mesmo uma perda de 10% do peso, por exemplo, uma mulher que pesa 100 quilos perder 10 quilos, pode ajudar a fazer com que o seu ciclo menstrual comece a atuar de forma mais regular e, consequentemente, aumentar as chances de que possa ocorrer uma gravidez.

– Remoção de pelos: Você pode utilizar métodos tradicionais para a remoção de pelos, bem como a aplicação de cremes para depilação, além do processo de remoção à laser para pelos corporais.

Os procedimentos mais complexos devem sempre ser realizados por profissionais, e a diminuição dos pelos no organismo pode fazer com que as mulheres que são portadoras de SOP possam conviver melhor com a doença também relacionando à questão da autoestima e da autoimagem.

– Diminuição dos níveis de crescimento capilar: Uma prescrição de tratamento para que o organismo passe a produzir menos pelos corporais pode ajudar a diminuir o crescimento de pelos excessivo em locais onde as mulheres geralmente não tem muito pelo, como nas axilas e na virilha.

Quais são os medicamentos que ajudam a controlar os sintomas e o tratamento da síndrome dos ovários policísticos?

Há uma série de medicamentos que poderão ser indicados por um médico especialista que podem ajudar a diminuir os sintomas da síndrome dos ovários policísticos, alguns deles são:

– Tratamentos para a contracepção que são baseados na utilização de hormônios: Medicamentos como a pílula anticoncepcional, os adesivos hormonais, as injeções anticoncepcionais, os anéis vaginais e o Dispositivo Intrauterino (DIU) podem ajudar as mulheres que não querem ficar grávidas a lidar com os sintomas da síndrome dos ovários policísticos da seguinte maneira:

– Melhorar a regulação do ciclo menstrual

– Diminuir o risco de câncer de endométrio

– Ajudar a melhorar as condições de acne e reduzir pelos excessivos na região do rosto bem como no resto do corpo.

– Medicamentos que atuam no combate aos hormônios masculinos: Estes medicamentos podem bloquear os efeitos dos hormônios masculinos no organismo, fazendo com que possam ser combatidos os sintomas resultantes do desequilíbrio.

É importante saber que os medicamentos devem sempre ser receitados por médicos especializados porque podem causar efeitos colaterais e inclusive prejudicarem o processo de gravidez das mulheres.

Quais são as opções para tratar a síndrome dos ovários policísticos quando pretendo ficar grávida?

Há uma série de procedimentos que podem ser realizados quando você pretende engravidar e busca tratar de forma eficaz a síndrome dos ovários policísticos para que ela não possa causar danos à sua gravidez.

 

– Perda de Peso: se você tem sobrepeso ou é obesa, perder peso por meio de uma dieta saudável e uma regular atividade física pode fazer com que a sua fertilidade seja impulsionada por meio de um ciclo menstrual regulado.

– Medicamentos: Depois de descartar todas as outras causas de fertilidade em você e em seu parceiro, você pode ter recomendações médicas para que possa fazer tratamentos que permitem o incentivo da ovulação.

– Fertilização In Vitro: A fertilização In Vitro pode ser uma das opções para engravidar se a medicina não funcionar para o tratamento, você pode ter o seu óvulo fertilizado por um espermatozoide de seu parceiro em um ambiente controlado – e então, colocado em seu útero.

– Cirurgia:  A cirurgia também é uma opção, geralmente a única se as outras não funcionarem. A parte mais externa dos ovários se torna mais grossa nas mulheres que portam a síndrome dos ovários policísticos, tendo um papel na perda da ovulação espontânea.

Por meio da cirurgia é possível utilizar lasers para que a restauração da ovulação espontânea seja obtida por cerca de seis a oito meses após o procedimento, permitindo a gravidez.

Síndrome dos Ovários Policísticos 00001 300x200 - Síndrome dos ovários policísticos, o que é importante saber

Meu Conselho pessoal: Como pesquisadora incansável dos problemas da infertilidade humana, tenho em mente que uma abordagem holística, alias para este conceito é a melhor forma de combater a infertilidade humana. É claro que a abordagem convencional é de suma importância, exames regulares de saúde, sempre deverá ser feitos.

A nutrologia existe, e esta ai, disponível, a medicina de Deus sempre foi muito mais eficaz, combater os problemas existentes com suplementação alimentar, para mim, é antes de tudo o caminho a seguir, exercícios e técnicas de redução de estresse são partes da solução holística para a infertilidade ao contrário da abordagem convencional, que busca a cura de órgão específico do nosso corpo. O tratamento holística é uma maneira infalível restaurar a saúde do corpo como um todo, com isto resolvendo os problemas e aumentando nossas chances de concepção, e consequentemente garantindo uma gravidez segura e saudável tanto para a mamãe como para o bebê.

“Que seu remédio seja seu alimento e que seu alimento seja seu remédio” Hipócrates (460 – 377 a. C.).

Obrigada por você ler este conteúdo, saiba que é o meu prazer contribuir para combater a infertilidade e trazer felicidade de conceber e dar a luz a um filho que é o sonho de todas as mulheres. Beijos e seja feliz.

Só para lembrar: Como sempre, que fique claro que, o conselho de um profissional médico sempre será requerido em seu caso, como palavra final.

Como o autora e editora deste artigo, não dou garantia, e nem estou capacitada para tal, estas informações são exclusivamente de caráter informativo. Repetindo a palavra final devera ser de um profissional capacitado.

Se foi bom, e se você gostou, compartilhe, para que outras pessoas possam receber  estas informações.

Beijos a todos.

By: Mª das Graças.

Ebook Como Engravidar depois de 40 226x300 - Síndrome dos ovários policísticos, o que é importante saber
Ebook-Como-Engravidar-depois-de-40

COMO ENGRAVIDAR DEPOIS DOS 40
Corpos saudáveis aumenta as chances de concepção e proporciona uma gravidez saudável e um bebê saudável.
Você é o que você come, comer uma dieta saudável e equilibradas ajuda a restaurar o potencial que seu corpo para trabalhar na jornada milagrosa de dar vida a uma nova pessoinha.
Ainda mais quando a idade vem chegando, não esqueça de baixar o meu novo livro digital: Como Engravidar Depois dos 40