Endometriose, mais o que é afinal esta terrível doença?

Tempo de leitura: 20 minutos

Endometriose 300x169 - Endometriose, mais o que é afinal esta terrível doença?
Afinal o que é Endometriose?

Endometriose uma Síntese

Endometriose 300x169 - Endometriose, mais o que é afinal esta terrível doença?
Afinal o que é Endometriose?

O revestimento interno do útero é chamado de endométrio. Durante o período menstrual, esse revestimento deixa o corpo através da vagina. Conheça tudo sobre a endometriose!

Quando uma pessoa tem endometriose, os fragmentos de seu revestimento se desenvolvem em locais diferentes do útero, incluindo os ovários, trompas de falópio, vagina, peritônio ou intestino.

A maioria das mulheres recebem o diagnóstico de endometriose quando começa a observar sintomas específicos, como dor pélvica ou cólicas menstruais severas.

A endometriose também pode dificultar a gravidez da mulher e causar diversas outras complicações.

Formas suaves de endometriose são comuns e podem não exigir tratamento, porém existem casos mais complicados.

Endometriose é uma doença que afeta cerca de seis milhões de brasileiras. a Associação Brasileira de Endometriose, constatou que entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva podem desenvolver a doença e 30% dentre as que desenvolve tem o risco de ficarem estéreis.

O que saber sobre a endometriose?

A endometriose é uma condição crônica que ocorre quando o tecido que se comporta como o revestimento do útero é encontrado fora dele – em outras áreas do corpo, como os ovários, as trompas de Falópio, o abdômen ou a bexiga.

A causa exata da condição não é conhecida, mas acredita-se que ela pode ser hereditária ou devido a fatores ambientais – como, por exemplo, a presença de dioxinas no meio ambiente.

Enquanto isso, alguns especialistas acreditam que ela pode ser causada por um processo chamado de menstruação retrógrada,

que é quando o revestimento do útero flui para trás através das trompas de Falópio do abdômen, ao invés de deixar o corpo em forma de menstruação.

A endometriose às vezes pode causar danos às trompas de Falópio ou aos ovários, levando a problemas de fertilidade.

Outras complicações podem incluir cistos e aderências dolorosas de ovário – áreas de tecido que podem unir os órgãos.

Ventre Agonizante

Recentemente, cientistas descobriram mutações genéticas causadoras de câncer em alguns pacientes diagnosticados com uma condição chamada de “ventre agonizante”.

O novo estudo, publicado no New England Journal of Medicine, seguiu pesquisadores que analisaram o tecido do revestimento do útero de 27 mulheres e descobriram que a maioria tinha uma ou múltiplas mutações genéticas.

  •      Vinte e quatro foram apontadas com a presença de mutações genéticas que poderiam aumentar o risco de câncer.
  •      Essas mutações podem ocorrer em qualquer das células do corpo exceto nas do esperma e nas das células do ovário e podem, mas nem sempre, desencadear a doença.

O co-autor do estudo, Michael Anglesio, disse que encontrar essas mutações em condições não cancerígenas é em grande parte, um território inexplorado pela ciência.

Ele aponta que a endometriose não é apenas uma inflamação em torno do tecido endometrial ou que está no lugar errado, existem também mudanças genéticas inseridas na biologia do transtorno.

Afinal, como surge a endometriose e quais são seus sintomas?

Os sintomas da endometriose podem variar, mas os mais comuns incluem as seguintes situações:

  •      Períodos menstruais dolorosos ou excessivamente desgastantes;
  •      Dor durante e após o sexo;
  •      Sangramento entre os períodos menstruais;
  •      Dor no abdômen;  
  •      Dificuldade em conceber.

A endometriose também pode causar um cansaço não explicado e constantemente ​​ fazer com que você se sinta desconfortável ao usar o banheiro.

Muitas vezes, a endometriose não apresenta sintomas. Quando os sintomas estão presentes, eles podem incluir:

  •      Cólicas menstruais muito dolorosas;
  •      Sexo doloroso;
  •      Dificuldade em engravidar;
  •      Cólicas abdominais ou dor nas costas durante a menstruação;
  •      Movimentos intestinais dolorosos;

Porém, não há conexão entre os sintomas e a gravidade ou extensão da endometriose.

Em outras palavras, pacientes com a presença da doença de forma muito leve podem ter sintomas muito graves, enquanto que aquelas com doença em uma fase significativamente avançada podem não apresentar sintomas, de fato, significativos.

Causas da endometriose

A causa da endometriose ainda é desconhecida.

Alguns especialistas acreditam que os pedaços de endométrio “voltam” através das trompas de Falópio e passam para a cavidade pélvica (espaço dentro da pélvis que contém os órgãos reprodutivos).

Pequenos pedaços de tecido podem aparecer nas superfícies dos órgãos reprodutores.

Durante a menstruação, o tecido sangra, assim como o endométrio dentro do útero.

O tecido circundante pode inflamar-se. Ao longo do tempo, tecidos cicatriciais e cistos podem se formar.

Ciclo vicioso clássico

Parcialmente, como resultado de um ciclo vicioso clássico e dessa resposta imune e outros fatores, pode-se desenvolver dor intensa durante a menstruação, dor crônica independente da menstruação, inflamação, subfertilidade, infertilidade, necrose tecidual e tecido cicatricial (adesões).

Em casos graves, a endometriose causa danos tão extensos que complicações graves, como obstrução intestinal com risco de vida, desregulação da bexiga, disfunção renal, perda silenciosa de rim, pulmões colapsados ​​e destruição dos ovários e trompas de Falópio, podem surgir.

Quais são os fatores de riscos da endometriose?

Apesar da endometriose poder ser uma condição dolorosa, a compreensão dos fatores de risco pode ajudá-la a determinar se você é suscetível a essa condição e quando você deve falar com seu médico.

  •      Idade:

As mulheres de todas as idades estão em risco de endometriose.

Ela geralmente afeta mulheres com idade entre 25 e 40 anos, mas os sintomas podem começar na puberdade.

  •      Histórico familiar:

Fale com o seu médico se você tiver um familiar que tenha endometriose.

Você pode ter um maior risco de desenvolver a doença a partir disso.

  •      Histórico de gravidez:

A gravidez parece proteger as mulheres contra a progressão da endometriose. As mulheres que não tiveram filhos correm maior risco de desenvolver a doença.

No entanto, a endometriose ainda pode ocorrer em mulheres que tiveram filhos. Isso dá suporte à compreensão de que os hormônios influenciam o desenvolvimento e o progresso da condição.

Caso tenha a doença – ou o risco dela – você será encorajada a ter filhos antes, e não mais tarde na vida.

A gravidez não cura a endometriose, mas pode haver menos sintomas depois dela.

  •      Histórico menstrual:

Fale com o seu médico se tiver problemas em relação à sua menstruação.

Essas questões podem incluir ciclos mais curtos, períodos mais pesados ​​e mais longos, ou uma menstruação que começa em uma idade jovem demais.

Esses fatores podem colocá-la em maior risco de desenvolver a endometriose e seus sintomas.

Tratamentos para a endometriose

Endometriose 00001 300x200 - Endometriose, mais o que é afinal esta terrível doença?Não há cura para a endometriose, mas ela pode ser gerenciada, e há várias abordagens para fazer isso.

  •      A algumas mulheres são prescritos medicamentos para dor, que visam reduzir a inflamação, como o ibuprofeno e o naproxeno.
  •      Enquanto isso, outras recebem tratamento hormonal para limitar a produção de estrogênio, o que estimula o crescimento do tecido endometriose.
  •      Esses tratamentos incluem contraceptivos orais, incluindo a pílula combinada, ou sistemas intra-uterinos (mais comumente conhecido como bobinas).
  •      No entanto, algumas mulheres optam pela cirurgia.

Por que algumas mulheres precisam de uma histerectomia (cirurgia)?

De acordo com algumas diretrizes médicas, uma histerectomia – ou a operação para remover o útero – é rara, e geralmente só é realizada em mulheres para as quais outros tratamentos não funcionaram ou que decidiram não ter mais filhos.

  •      É uma operação importante – e poucas são realizadas por ano. Ela possui risco de sangramento, infecção e danos na bexiga ou nos intestinos.
  •      Outras opções cirúrgicas para endometriose são a laparotomia e laparoscopia (cirurgia de fechadura).

Estes métodos funcionam ambas para remover tecidos da endometriose.

Doença sistêmica do corpo inteiro

Embora seja verdade que a dor extrema e incapacitante da menstruação seja um dos sintomas mais comuns da endometriose, ela também pode causar dor crônica e incapacitante em essencialmente qualquer região do corpo e em qualquer momento durante o mês.

A sub-fertilidade / infertilidade, a dor excessiva durante as relações sexuais, a perda silenciosa dos rins, a dor lombar, a dor no quadril e nas pernas e a disfunção grave do intestino e da bexiga estão entre outros sintomas experimentados por mulheres com endometriose.

A endometriose foi encontrada em cada órgão e estrutura anatômica no corpo, exceto o baço.

Principais locais atingidos pela endometriose

No entanto, a cavidade abdominal inferior (cavidade pélvica) é a área geral mais comum onde a endometriose ocorre.

Suas aparições mais comuns incluem o peritoneu (revestimento da área pélvica), a bolsa rectouterina (também chamada bolsa de Douglas), o septo rectovaginal, os ligamentos uterosacrais, os ovários, as trompas de falópio e todo o exterior do útero, inclusive por baixo dele e atrás dele.

Além disso, ela pode atingir também o apêndice, o intestino, a bexiga e o reto.

Enquanto isso, a adenomiose, pensada como uma doença próxima à endometriose pelos médicos – se não simplesmente outra forma do transtorno, ocorre quando as glândulas endometriais, putativamente da camada basal do endométrio, invaginam na parede muscular (miometria) do próprio útero.

  •      Em termos mais amplos, muitos pesquisadores levantam a hipótese de que o sistema imunológico do corpo reconheça que esses crescimentos endometrióticos não estão crescendo onde devem e, portanto, lança uma resposta imune para destruí-los.
  •      Outros acreditam que o sistema imunológico não os reconhece até que seja tarde demais.

Como resultado desta batalha contínua entre a endometriose e o sistema imunológico do seu corpo, a resposta citosina-prostaglandina, a inflamação e outros fatores do sistema imunológico parecem se tornar desregulados cronicamente.

Complicações da endometriose

Ter problemas com a fertilidade é uma das complicações mais graves causadas pela endometriose.

Mulheres com formas mais leves de endometriose podem ser capazes de conceber e levar a gravidez para frente.

  •      De acordo com especialistas, cerca de um terço a metade das mulheres com endometriose têm problemas para engravidar.
  •      Medicamentos não melhoram a fertilidade. Algumas mulheres conseguem conceber depois de ter removido cirurgicamente o tecido endometrial.
  •      Se isso não funcionar no seu caso, você pode considerar tratamentos de fertilidade ou fertilização in vitro para ajudar a melhorar suas chances de ter um bebê.

Como os sintomas podem piorar ao longo do tempo, pode se tornar cada vez mais difícil conceber sem ajuda médica. Portanto, conhecendo as chances de desenvolver a doença, prefira ter filhos o quanto antes.

Saiba que você precisará ser avaliado pelo seu médico antes e durante a gravidez. Fale com o seu médico também para entender suas opções.

Consequências

Enquanto isso, a formação de tecido cicatricial também prejudica os órgãos envolvendo-os de maneira anormal – de certa forma até mesmo estrangulando -os – o que, em casos graves, leva à chamada pelve congelada, que pode causar dor crônica e até perda de função orgânica.

Como os agentes desonestos que são, parece que esses pequenos crescimentos endometriáticos inteligentes também podem reprogramar os caminhos genéticos, permitindo que eles continuem migrando por todo o corpo e até produzam seus próprios hormônios, nervos e suprimentos de sangue.

É como se a endometriose fosse determinada a sobreviver e fizesse qualquer coisa para garantir sua própria sobrevivência.

Nesse sentido, a endometriose comporta-se de maneira similar à de alguns tipos de câncer, embora seja classificada como condição benigna. (A endometriose, no entanto, aumenta o risco de certos tipos de câncer).

Uma combinação de predisposição genética, mutações epigenéticas, desregulação de células estaminais, disfunção do sistema imunológico e desencadeadores ambientais foram propostas como fatores potenciais na patogênese da endometriose.

Doença progressiva e perniciosa

Através de todos esses caminhos potenciais, a endometriose pode ser uma doença progressiva; isto é, pode continuar a crescer em todo o corpo e piorar, apesar de intervenções médicas e / ou cirúrgicas, ou seja, mesmo que o útero e os ovários tenham sido removidos cirurgicamente.

  •      Ao contrário das células normais do endométrio encontradas no revestimento do útero, esses crescimentos endometrióticos errantes não são expulsos de seu corpo a cada mês, como na menstruação.
  •      Em vez disso, muitos (mas não todos!) Desses implantes aberrantes se implantam e começam a reagir aos hormônios mensais que desencadeiam a menstruação, fazendo com que sangrem e pulverizem e cresçam, mês após mês e ano após ano, se não forem tratados.
  •      Embora esses crescimentos endometrióticos sejam benignos, parece que o corpo ainda reconhece que eles não deveriam estar crescendo fora do útero, e, portanto, geralmente lança uma resposta inflamatória para tentar destruí-los.

O resultado

Como resultado, as áreas afetadas tornam-se extremamente inflamadas e, portanto, potencialmente extremamente dolorosas. Este ambiente pró-inflamatório crônico, eventualmente, leva a níveis elevados de citosinas-prostaglandinas que contribuem para a dor crônica.

  •      Também podem formar-se cistos endometrióticos de sangue e pus, que podem se torcer (chamadas de torsão) e / ou abrir-se e causar ainda mais dor, hemorragia, infecção e outras respostas inflamatórias agudas.
  •      A endometriose também pode crescer diretamente nos nervos. Este ambiente pró-inflamatório crônico, eventualmente, leva a níveis elevados de citosinas-prostaglandinas que contribuem para a dor crônica.
  •      Também podem se formar cistos endometrióticos de sangue e pus, que podem se torcer (chamar torsão) e / ou abrir-se e causar ainda mais dor, hemorragia, infecção e outra cascata de respostas inflamatórias agudas.
  •      A endometriose também pode crescer diretamente nos nervos. Este ambiente pró-inflamatório crônico, eventualmente, leva a níveis elevados de citosinas-prostaglandinas que contribuem para a dor crônica.
  •      Também podem formar-se cistos endometrióticos de sangue e pus, que podem se torcer (chamar torsão) e / ou abrir-se e causar ainda mais dor, hemorragia, infecção e outra cascata de respostas inflamatórias agudas.

A endometriose também pode crescer diretamente nos nervos, o que pode causar dor excruciante, semelhante à forma como o chamado nervo invasor atua.

Conforme mencionado, os crescimentos endometrióticos podem gerar o próprio suprimento de vasos sanguíneos e nervos, o que aumenta o número de receptores de dor e, portanto, contribui para respostas de dor aumentadas.

Eventualmente, o tecido cicatricial e outros sintomas de endometriose se desenvolvem.

Endometriose 00000 300x200 - Endometriose, mais o que é afinal esta terrível doença?Na verdade, o próprio tecido cicatricial pode causar dor severa. Por exemplo, nos casos em que a endometriose invadiu os ureteres, o tecido cicatricial pode fazer com que esses órgãos se fechem, o que pode levar a infecções renais graves e a incapacidade de anular completamente ao urinar.

Endometriose intestinal

A endometriose intestinal, por outro lado, pode causar obstruções intestinais severas e / ou pequenas perfurações (buracos), permitindo que o conteúdo do intestino escape para a cavidade pélvica, o que pode causar uma emergência médica extremamente dolorosa e potencialmente fatal.

Em casos graves, a endometriose pode até destruir completamente os órgãos. Por exemplo, enquanto a maioria sabe que a endometriose pode destruir totalmente os ovários.

Em casos raros, algumas mulheres perderam um rim devido a esse distúrbio de confusão.

Em casos raros, a endometriose foi encontrada no coração, no cérebro, na pele, na coluna, nos olhos, no fígado, nos rins e nos pulmões.

Complicações cirúrgicas não realizadas

Outros aspectos incrivelmente confusos para o tratamento de pacientes com endometriose são advindas de uma série de complicações cirúrgicas não reconhecidas que o paciente pode ter, o que também pode causar dor pélvica crônica.

Por exemplo:

  •      Síndrome remanescente de ovário;
  •      Cistos ovarianos não endometriáticos;
  •      Adenomioses;
  •      Torção ovariana;
  •      Síndrome de hiperestimulação ovárica;
  •      Uropatia obstrutiva crônica;
  •      Fibromas;
  •      Fibromas degenerados;
  •      Torsão de fibromas;
  •      Pielonefrite;
  •      Fístulas;
  •      Hérnias;
  •      Distúrbios pós-histerectomia;
  •      Apendicite;
  •      Trompas de falópio inflamadas (endosalpingiose, salpingite, etc.);
  •      Uretero-hidronefrose;
  •      Dor pós-cirurgia de complicações não reconhecidas;
  •      Endometrite;
  •      Obstruções intestinais induzidas pela adesão;
  •      Distúrbios intestinais pós-operatórios;
  •      Distúrbios da parede abdominal;
  •      Síndrome do intestino irritável;
  •      Proctite severa;
  •      Fístulas retro vaginais.

Com tantos distúrbios potenciais para classificar, é recomendado procurar um especialista crônico em dor pélvica com experiência em reconhecer estes e dezenas de outros distúrbios que podem estar contribuindo para a sua dor.

Patogênese

Como a endometriose se espalha é um assunto altamente contestado. Como muitas outras doenças, sua patogênese é provavelmente multifatorial.

Por exemplo, muitos acreditam que a endometriose pode se espalhar pela corrente sanguínea – de forma hematogênica, como os cientistas gostam de dizer – ou através dos caminhos linfáticos.

Estas são as mesmas vias que a maioria dos cânceres metastáticos levam para se espalhar – ou seja, metástase – para outras partes do corpo.

E aqui reside a controvérsia, porque alguns cientistas hesitam em usar o termo “metástase” ao se referir a uma condição benigna como a endometriose.

Há muito mais a ser dito sobre este assunto, enredado como está em um caldeirão úmido de debate acadêmico.

A vida após a endometriose

Estudos anteriores elucidaram o impacto negativo da endometriose na vida, mas a seleção do paciente pode ter contribuído para uma imagem distorcida.

O objetivo deste estudo foi investigar longitudinalmente as consequências da doença em mulheres diagnosticadas com endometriose há 15 anos.

Cento e trinta mulheres foram diagnosticadas com endometriose no Hospital St. Olav em Trondheim entre 1991 e 1993.

Das mulheres, 19,2% nunca sofreram dor pélvica e 21,8% não tiveram mais visitas ao departamento ginecológico após serem diagnosticadas.

Quase 70% recebeu tratamento farmacêutico e o efeito positivo na dor foi relatado em 41% para AINEs e contraceptivos orais, e em 62% para progestágenos e análogos de GnRH.

O efeito satisfatório sobre a dor após intervenções cirúrgicas no momento do diagnóstico foi relatado em 60,9% e em 89,9% após cirurgias posteriores.

Dos pacientes inférteis,75,6% conseguiram entregar uma ou mais crianças biológicas.

Metade das mulheres relatou que a endometriose teve algum impacto negativo em suas vidas. Após a menopausa, 96,9% estavam livres de dor.

Este estudo confirma que a endometriose é uma condição que muitas vezes tem um impacto considerável na vida de uma mulher.

No entanto, o estudo também descobriu que a endometriose nem sempre causa dor, que o tratamento em muitos casos é eficaz, que a infertilidade pode ser superada e que quase todas as mulheres pós-menopáusicas estavam livres de dor associada à endometriose.

Fatos curiosos sobre a endometriose

  •      Você não pode “pegar” a endometriose de ninguém e estudos confirmam esse fato;
  •      Mulheres e meninas em idade fértil e de qualquer etnia podem tê-lo;
  •      É uma condição de longo prazo que pode ser difícil de diagnosticar no início;
  •      Os sintomas comuns incluem dor pélvica, dor durante a menstruação, cansaço e dor durante e após o sexo;
  •      Seu médico de família pode não ser capaz de ver os sinais de endometriose e alguns testes podem não mostrar o problema;
  •      Você pode precisar de um procedimento chamado de laparoscopia (onde um cirurgião passa um tubo fino com uma câmera em seu corpo através de um pequeno corte em sua pele) para confirmar o diagnóstico;
  •      Medicação (incluindo a pílula anticoncepcional) está disponível, que pode ajudar a controlar a dor e os sintomas;
  •      Algumas mulheres fazem cirurgia para se livrar de algum tecido ou uma histerectomia para remover o útero;
  •      Mulheres com endometriose ainda podem tentar ter um bebê – estima-se que até 70% das mulheres com endometriose leve ou moderada poderão engravidar sem tratamento de fertilidade;

Sabendo tudo sobre a endometriose, você se torna capaz de buscar a melhor forma possível de conviver com ela, garantindo qualidade de vida!

Só para lembrar

Como sempre, que fique claro que, o conselho de um profissional médico sempre será requerido em seu caso, como palavra final.

Como o autora e editora deste artigo, não dou garantia, e nem estou capacitada para tal, estas informações são exclusivamente de caráter informativo. Repetindo a palavra final deverá ser de um profissional capacitado.

Se agregou informação para você, compartilhe em suas redes sociais para que outras pessoas possam também receber o beneficio da informação.

Como sempre, que fique claro que, o conselho de um profissional médico sempre será requerido em seu caso, como palavra final.
Como o autora e editora deste artigo, não dou garantia, e nem estou capacitada para tal, estas informações são exclusivamente de caráter informativo. Repetindo a palavra final devera ser de um profissional capacitado.

Beijos Maria das Graças.

Ebook Como Engravidar depois de 40 226x300 - Endometriose, mais o que é afinal esta terrível doença?
Ebook-Como-Engravidar-depois-de-40

COMO ENGRAVIDAR DEPOIS DOS 40
Corpos saudáveis aumenta as chances de concepção e proporciona uma gravidez saudável e um bebê saudável.
Você é o que você come, comer uma dieta saudável e equilibradas ajuda a restaurar o potencial que seu corpo para trabalhar na jornada milagrosa de dar vida a uma nova pessoinha.
Ainda mais quando a idade vem chegando, não esqueça de baixar o meu novo livro digital: Como Engravidar Depois dos 40